O programa Balanço Geral apresentou matéria sobre o alerta para a Síndrome de Ehlers-Danlos, doença da hipermobilidade, na TV Record.

Na matéria são apresentados alguns relatos de pacientes com a Síndrome, sintomas e o problema da falta de informações. A Dra. Neuselli Lamari, entrevistada pelo programa, informa sobre a gravidade da doença e perda da qualidade de vida dos portadores.

Publicação Original: Youtube do Hospital de Base / Funfarme
Fonte: Canal do Youtube Hospital de Base

Na entrevista, a pedagoga Elen Kelly de Menezes descreve como foi diagnosticada com a Síndrome de Ehlers-Danlos e como perdeu sua qualidade de vida.

O meu diagnóstico foi tardio, somente aos 39 anos. No meu caso a parte mais afetada foi a parte gastrointestinal, que é a má absorção intestinal. Não absorve corretamente as vitaminas do que come. Sempre com desnutrição, desidratação, diz Elen Kelly.

A Síndrome de Ehlers-Danlos (SED) ou a hipermobilidade era um nome que suscitava pouca relevância ou urgência no mundo da dor. Os diagnósticos secundários mais comumente reconhecidos, como fibromialgia, degeneração da coluna e enxaqueca resistente escondiam a verdadeira doença. À medida que mais pacientes iniciaram a procura por tratamento mais profissionais iniciaram estudos para entender como os sinais e sintomas podem se desenvolver e como as equipes médicas podem avaliar e diagnosticar a hipermobilidade.

ASSISTA DIVERSOS VÍDEOS SOBRE A SÍNDROME DE EHLERS-DANLOS EM SEDVIDEOS. CLIQUE AQUI.

Para evitar as complicações causadas pela hipermobilidade e identificar causas de dores crônicas o diagnóstico preciso é fator fundamental.

O tratamento Síndrome de Ehlers-Danlos (SED) ou a hipermobilidade depende de um diagnóstico preciso e do trabalho multidisciplinar entre médicos e fisioterapeutas. A Síndrome apresenta alguns sintomas predominantes.

Apesar das pesquisas internacionais apontarem que há uma grande quantidade de pessoas hipermóveis e que a Síndrome de Ehlers-Danlos (SED) é um fator importante na perda da qualidade de vida dos pacientes, existem poucos médicos especializados nesta área.

O Projeto de Lei 4817/19 atualmente está tramitando no Congresso Nacional e institui que o paciente com a Síndrome de Ehlers-Danlos ou a Síndrome de Hipermobilidade seja considerado pessoa com deficiência. (Clique aqui para apoiar o Projeto de Lei).

A doença da hipermobilidade em matéria na TV

Matéria completa sobre a Síndrome exibida no Balanço Geral

Para a Dra. Neuselli Lamari, fisioterapeuta do Hospital de Base de São José do Rio Preto, a maioria dos portadores da Síndrome de Ehlers-Danlos passa a vida com diagnósticos secundários ou sem diagnóstico.

A maioria desses pacientes passa a maior parte de sua vida sem diagnósticos ou com diagnósticos secundários, como fibromialgia, por exemplo, atraso motor… por desconhecimento, informa a Dra. Neuseli.

Como é uma doença mundialmente pouco conhecida, há o estigma de que é uma habilidade interessante.

Ela é confundida com uma habilidade interessante, é bacana ser frouxo, ter as articulações que se dobram. É cultural e para essa mudança nós estamos fazendo uma sensibilização em nível mundial, complementa a fisioterapeuta Dra. Neuseli Lamari.

Síndrome que passa de pais para filhos

A Síndrome de Ehlers-Danlos passa de pais para filhos e não tem cura, como explica o repórter Youri Macri na matéria. Mas pode ser tratada para que não apresente maiores complicações futuras.

O tratamento depende da análise da Síndrome em cada paciente e normalmente utiliza analgésicos e outros medicamentos. Há indicação de fisioterapia em alguns casos.

Não há cura para a Síndrome de Ehlers-Danlos e o tratamento e monitoramento cuidadoso do paciente é essencial para e melhoria da qualidade de vida e o não surgimento de danos maiores e permanentes.

Importância do diagnóstico

O diagnóstico inicial da síndrome de Ehlers-Danlos é predominantemente clínico, mas deve ser confirmado por exames genéticos, que agora estão disponíveis para a maioria dos subtipos. A biópsia da pele para exame ultraestrutural pode ajudar no diagnóstico dos tipos clássico, hipermobilidade e vascular.

Quanto ao tratamento é fundamental o reconhecimento precoce para o tratamento das complicações.

LEIA MAIS SOBRE O ATENDIMENTO ÀS DOENÇAS RARAS NO SUS

Compartilhe agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Atention Quer receber novidades de sedianos?

Obrigado! Você se inscreveu com sucesso em Sedianos.Org!

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

SEDIANOS.ORG will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.